domingo, 20 de agosto de 2017

A São Petersburgo que os petersburguenses não conhecem

Esse impressionante prédio é desconhecido por muitos de Petersburgo, mas impressionou a um brasileiro e uma suíça
Não é raro encontrar em São Petersburgo turistas que estiveram 4 dias ou mais e não estiveram no metrô uma só vez, com espanto, sempre me pergunto: "Essa pessoa realmente existe?!" Mas, às vezes, acontece o mesmo com petersburguenses, o que me fez escrever esse artigo.

A história começa quando num encontro de estrangeiros em um famoso café conheço Tina, quase como Cristina, conquanto sou Cristiano resolvi falar com a moça que estava sentada sozinha numa mesa. Então, eu soube que a garota era uma arquiteta da Suíça e a conversa ficou mais interessante, pois minha primeira professora de alemão era suíça e o último filme que assisti no cinema foi filmado na Suíça (A cure for wellness, em português "A cura), então tivemos uma conversa interessante sobre arquitetura. Eu gosto muito dos arquitetos e engenheiros, já que eu mesmo sonhei em ser engenheiro na infância, precisamente engenheiro e oficial (depois oficial e piloto), mas a principal razão pela qual gosto deles é que quando olham para a cidade eles veem o que eu vejo, e é verdade, não só na cidade. O engenheiro é um criador e o arquiteto é o engenheiro-artista na minha opinião, a própria palavra engenheiro vem do latim "genius" (gênio), ou seja, a mente criadora, construtora, ou como diziam na Alemanha Oriental, "bau auf, bau auf!"

Assim, após várias conversas sobre o clima e sobre o Brasil (a jovem viveu lá por um ano) nós concordamos em ver Bogoslovka. Eu falei a ela sobre a igreja de madeira no Parque Florestal do Nevá, sobre a qual poucos da própria São Petersburgo sabem! Sinceramente, para mim Bogoslovka é até mais interessante que o Palácio de Catarina e Peterhoff e a principal razão é que lá é tudo como na Rússia Medieval, e Peterhoff já foi construído como Versalhes, ou seja, de certo modo é uma cópia do estilo ocidental. Eu penso que se em Fortaleza ou mesmo em São Paulo ou no Rio eu mostrar Bogoslovka e Peterhoff qualquer homem médio irá associar à Rússia Bogoslovka, mas de todo jeito, eu conheço pessoas que vivem há 10, 20, 30 e até 40 anos em São Petersburgo e mesmo assim não sabem que esse lugar fica na cidade, o primeiro chute vai para Kiji, mas esse é o arquétipo da igreja de Kiji!

Conquanto a minha companheira dormiu muito, nós não fomos até Bogoslovka, mas combinamos de ir ver outras maravilhas de São Petersburgo, o Bairro Moscovita, o mais soviético da cidade, e adivinhem, até o Instituto de Robotecnia de Leningrado! Hurra! Existe outra pessoa no mundo capaz de ficar impressionada com esse prédio do construtivismo soviético? Sim senhores, essa pessoa existe, é a minha companheira da Suíça. Eu, sinceramente, não sou nenhum fã da arquitetura construtivista, mas sou brasileiro e a capital do Brasil, Brasília, foi inteiramente construída sob a influência do construtivismo, desenhada pelo famoso arquiteto Oscar Niemeyer (ele, a propósito, um comunista convicto). Além disso, o construtivismo parece um estilo muito futurista, o que traduz o desejo dos sovietes de construir a "sociedade do futuro", em tempos em que na Rússia se fazia filmes de ficção científica. Mas mesmo na própria URSS o construtivismo não se tornou o principal estilo.

Já que sou brasileiro, o construtivismo arquitetônico é um velho conhecido, na foto o Museu de Oscar Niemeyer, em Curitiba

Quando Tina e eu fomos até o metrô Pionerskaya, após ver os metrôs Avtovo e Narvskaya, perguntamos a várias pessoas como chegar ao instituto, ninguém sabia a resposta certa, geralmente achavam que procurávamos o politécnico, mas procurávamos o robotécnico, ninguém sequer imaginava o formato do prédio, meu Deus, esse prédio é único, nesse lugar as pessoas imaginavam e criavam robores, elevada forma de tecnologia da humanidade no século XXI, como é possível não saber desse lugar? Essa é a Rússia que queremos no século XXI, uma Rússia que se move pra a frente e cria novas tecnologias, que desenvolve a ciência. Os soviéticos previram em 2017 na URSS haveria estações de controle do clima, mas estamos em 2017 e não há nem a estação nem a URSS, mas há a Rússia e pessoas nela!
A torre me deu ideias diferentes para fotos

Depois que sentamos no bonde e andamos muito, por acaso achamos duas mulheres que riam e tomavam cerveja, então perguntamos sobre o lugar, explicando que a jovem há tempos sonha em ver tal prédio, eu o vi pela primeira vez ao fazer esqui pela primeira vez no inverno. Então, todas as coordenadas foram exatas, mas o prédio estava muito mais bonito, pois era noite, nós nos sentamos por muito tempo e contemplamos a beleza dessa maravilha construída pelos soviéticos. O formato do prédio me deu ideias para fotos, então fizemos algumas, sentamos para conversar sobre o porquê desse estilo não se tornar popular, e de acordo com a arquiteta Tina a razão principal é que pessoas comuns não gostaram, é verdade que nem na URSS se tornou o principal, como depois notamos no Bairro Moscovita. No final das contas, tivemos a impressão de que na cidade em que muitos jovens sonham em viajar para a Espanha, a Tailândia, Índia ou à América, esses jovens sabem de muito pouco sobre a boniteza de sua própria cidade, para muitos, hóspedes e até locais, São Petersburgo é só a Avenida Nevsky e o rio Nevá! Às vezes isso é muito triste, pois esquecem de monumentos arquitetônicos como a Dacha de Mesmacher em Shuvalovo, construída no estilo pseudogótico.

Институт Роботехнологии Ленинградской Области в Санкт Петербурге

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

A grande ciranda da paz na Rússia


Precisa de tradução ou intérprete na Rússia?

Se você não sabe russo e não tem tempo para aprendê-lo, isso não é problema, o blog Russificando oferece um excelente serviço de tradução com muitos anos de experiência de qualidade comprovada em eventos como o BRICS em Fortaleza, dentre outros.

Se você precisa de um tradutor ou intérprete, entre em contato conosco pelo e-mail: crtvbr@gmail.com

domingo, 6 de agosto de 2017

Artista petersburguense desenha o dia-a-dia no metrô


Você já imaginou viver toda a sua vida a centenas de metros debaixo da terra? Assim seria a vida de milhões de russos caso a guerra atômica tivesse acontecido nos anos mais quentes da Guerra Fria. Mas longe da ficção, o fato é que viver centenas de metros abaixo de palácios, casas, florestas e até rios faz parte do cotidiano dos milhões de habitantes de São Petersburgo.

Um meio de transporte rápido, seguro e eficaz, sem trânsito, o metrô petersburguense é um verdadeiro palácio subterrâneo, uma maravilha da engenharia moderna, construído sob uma cidade pantanosa, sob camadas de gelo permanentes, sob rios e lagos. Ele é um lugar onde as pessoas se conhecem, vão ao trabalho e também uma grande referência cultural. Confira algumas estações que fazem parte do trabalho do artista Ilya Tihomirov, cuja arte é muito familiar para quem toma essas estações.

- Avtovo 
"Desci até embaixo em passo, 
vi um grande serviço no espaço"

E que grande serviço, com suas colunas adornadas em cristal Avtovo é considerado por muitos como a estação de metrô mais bonita do mundo, aquele que chega nessa estação pode pensar ter pego um metrô direto para o Hermitage ou Peterhoff, aliás, é a estação que leva a esse palácio. Um mosaico ao fundo da sala nos mostra a ideologia da Rússia "Paz para o mundo".

No automatic alt text available.
- Almirantado (Admiralteyskaya)

É uma estação muito visitada, pois ela é a mais próxima do Hermitage, também leva a hoteis de luxo do centro da cidade e nos dias de festas especiais mais parece um formigueiro, uma vez que as ruas ficam bloqueadas, controladas pela polícia, muitos que desejam ver as Velas Escarlates, o Dia da Vitória, a queima de fogos do Ano Novo, a Parada do Dia da Marinha de Guerra, dentre outras festas famosas muito provavelmente saem dessa estação. Ah, não poderíamos esquecer, muitos também saem de lá em dias normais para ver a abertura das pontes acompanhadas de um grande concerto às 01:10 da manhã!

Image may contain: outdoor

- Acadêmica (Akademicheskaya)
"Quase como a Mayakovskaya (de Moscou)"

Image may contain: text
A estação se parece muito com a Mayakovskaya de Moscou, situa-se num dos bairros mais bonitos de São Petersburgo, o bairro acadêmico. Nesse metrô pode-se ver descendo a escadaria oficiais militares uniformizados da China, Venezuela, Angola e outros países que tem acordos de instrução militar com a Rússia. Um amigo garante que é o bairro mais bonito da cidade.
- Báltica (Baltiyskaya)

As suas águas são frias e doces, provar as águas do mar Báltico é quase como provar a água de um grande lago, a diferença é sutil. Pode ser bastante discreta para uma praia, mas é ideal para a marinha mercante e para os submarinos da Frota do Norte russa. A estação faz uma referência a um dos mais importantes mares para a Rússia, para o seu comércio e defesa.

No automatic alt text available.
- Bucarestense (Buharestskaya)

A estação faz referência à capital de um importante aliado da União Soviética nos tempos do Bloco Socialista e do Pacto de Varsóvia, a estação Bucarestense refere-se à capital da Romênia, Bucareste. Sobre ela encontra-se hoje um centro de comércio.

Image may contain: text
- Vladimir (Vladimirskaya)

Faz referência ao cristianizador da Rússia São Vladimir, para muitos o fundador do Estado russo moderno. Desde Vladimir tivemos como governante da Rússia desde Vladimir Lenin a Vladimir Putin.
A estação está situada a algumas centenas de metros da casa na qual Dostoyevskiy escreveu "Os irmãos Karamazov" e viveu até o fim dos seus dias. Também está a poucos metros do monumento a Dostoyevskiy, instalado na época de Lenin:

No automatic alt text available.
- Gorky (Gorkovskaya)

"Gorky não morreu, apenas seguiu para outro planeta", essa é a ideia que nos passa essa estação que mais parece um disco voador, e quem reparar no teto dela e nasceu antes de 95 vai lembrar de quando assistia o Show da Xuxa na Infância!

Image may contain: text
- Pátio do Hóspede (Gostiniy Dvor)

Uma das estações mais centrais de São Petersburgo. Suas portas abrem-se e fecham-se para que você entre no metrô e aproveitar o que há de melhor no centro da cidade. Sobre ela está o Pátio do Hóspede, um dos mercados mais antigos da cidade, nele é possível encontrar artesanato típico, além de coisas quase impensáveis, como antiquários e outros produtos típicos. É muito visitado por produtores de cinema em busca de itens para filmes de época.

Image may contain: text
-Avenida Civil (Grajdanskiy prospekt)

Uma das últimas estações da Linha Vermelha, mostrando que a beleza do metrô vai até o subúrbio da cidade.

No automatic alt text available.

- Dostoyevskiy (Dostoyevskaya)

Chegar nessa estação, interligada com a Vladimirskaya, fará você lembrar por alguns instantes das Recordações da casa dos mortos, isto é, do cárcere do grande escritor, com as grades deste metrô!

No automatic alt text available.
- Avenida do comandante (Komendantskiy prospekt)

O metrô é um prato cheio para os amantes da aviação, com os seus mosaicos retratando batalhas aéreas da IIGM, pilotos da I e da IIGM, construído onde a aviação na Rússia deu seus primeiros passos, ou melhor, suas primeiras decoladas, sob o que um dia foi um grande aeroporto.

No automatic alt text available.
- Internacional (Mejdunarodnaya)

A estação, situada no subúrbio de São Petersburgo, mais parece um aeroporto do futuro, ou um ambiente de um filme de ficção científica. A estação internacional situa-se sob avenidas com nomes internacionais como a Bela Kuhn, dedicada a um comunista húngaro, a Bucarestense, dentre outras. Ela também impressiona pelos seus mosaicos.

No automatic alt text available.
- Moscovita (Moskovskaya)

Para muitos ela é a última estação ao se despedir de São Petersburgo de avião. A estação é a mais próxima do aeroporto internacional de Pulkovo, situada no histórico Bairro Moscovita. O bairro petersburguense é um dos mais antigos da cidade, em especial devido aos Portões de Moscou, monumento que antes marcava a saída da cidade para a Grande Novgorod e Moscou. Ele também é muito conhecido pela juventude, já que aqui é celebrado o Festival Internacional da Juventude. Sobre ele está uma das maiores praças do mundo, a Praça Moscovita, e o maior monumento a Lenin em São Petersburgo, antiga Leningrado. A região administrativa ainda se chama Leningrado.

Image may contain: text

- Praça da Insurreição (Ploschad Vosstaniya)

Uma das principais praças da cidade, e sem dúvidas a mais movimentada em termos automobilísticos. Para muitos que vêm à capital do norte é a primeira praça que veem, já que está situada logo em frente à estação de trens Moscovita (Moskovskiy Vokzal), lá estão o obelisco da Cidade-Herói de Leningrado e para muitos as primeiras impressões de São Petersburgo. Funcionários deste metrô tiveram sucesso em desativar uma bomba deixada por um terrorista em abril de 2017.

Image may contain: text
- Desportiva (Sportivnaya)

A estação pode se gabar da complexidade de sua engenharia que permite ao homem comum encontrar-se debaixo do oceano. Acima da estação está o mar báltico. Diversos mosaicos remetem aos jogos olímpicos e ao culto do corpo na Grécia Antiga. Possui a única esteira horizontal do metrô de São Petersburgo.

Image may contain: text
- Praça de Alexander Nevsky (Ploschad Alexandra Nevskogo)

Ao chegar na estação, situada debaixo da Abadia de Alexander Nevsky, onde repousam os mestres da cultura e da ciência russa como Dostoyevskiy e Lomonosov, no cemitério, parece que estamos vendo o explendor da armadura do Grão-Príncipe de Novgorod e Kiev. Diversos relevos nos fazem lembrar que não longe de São Petersburgo, há cerca de 800 anos atrás, se deu uma batalha na qual Alexander Nevsky expulsou os cruzados católicos do Reino da Suécia. Em frente ao metrô há o maior monumento a Santo Alexander Nevsky, cujo corpo faz parte do relicário do mosteiro.

Image may contain: text

A verdadeira Horda

Você sabia que a Horda realmente existiu? Mas ela não era formada por trolls e orcs, mas por tártaros e mongóis.
A Rússia lançará este ano um filme sobre a verdadeira Horda, "A Horda Dourada" é o nome do filme. Durante muitos anos a Horda Dourada teve Nova Saray como a sua capital. Ela seria em grande parte destruída com o passar do tempo, em seu lugar, sob ordens de Catarina II foi construída Tsaritsyno, ou "Vila Real", que mais tarde seria eternizada na história sob outro nome, ligada à resistência contra um invasor muito mais poderoso, dessa vez não do Oriente, mas do Ocidente, sob o nome de "Stalingrado".
O cinema russo apresentará o drama "Zalataya Orda":

Nota do Russificando: As armaduras ficaram muito melhores do que as da Horda de Warcraft!


terça-feira, 11 de julho de 2017

domingo, 9 de julho de 2017

Um pouco de arquitetura soviética

A arquitetura soviética conheceu diversos estilos, dentre os quais o construtivismo, que influenciou o grande arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer, que desenhou a nova capital do Brasil, Brasília. Esse estilo de época representou o anseio da sociedade soviética por uma sociedade futurista, voltada para o progresso tecnológico que levou à conquista do espaço e ao desenvolvimento de várias tecnologias modernas que usamos hoje. O estilo tinha pouca relação com a Rússia ou com as demais república soviéticas, reunindo diversos povos sob um objetivo, o do progresso da ciência.

Image may contain: one or more people, sky and outdoor
Pegando uma praia em frente ao Hotel Amistad, Yalta, Rússia
Image may contain: cloud, sky, ocean, mountain, outdoor, nature and water
Palácio presidencial armênio em Sevan, Armênia
Image may contain: cloud, sky and outdoor
Embaixada da URSS em cidade tropical de Havana, Cuba
No automatic alt text available.
Monumento às vítimas do fascismo em Kaunas, Lituânia (os neofascistas lituanos, negando o sofrimento de 30 milhões de russos, alegam que é um "monumento às vítimas do Holocausto)
Image may contain: sky and outdoor
Circo de Kazan, Rússia
Image may contain: outdoor
Teatro de drama da Grande Novgorod, Rússia
No automatic alt text available.
Crematório de Kiev
Image may contain: sky, cloud and outdoor
Palácio de cerimônias nupciais, Tblisi, Geórgia
Image may contain: outdoor
Instituto de Robotecnia de Leningrado, URSS em 1987 (Metrô Pionerskaya, em São Petersburgo)
Resultado de imagem para Метро горьковская
Um disco voador aterrissou? Não! É o metrô Gorkovskaya, em São Petersburgo, Rússia

quarta-feira, 28 de junho de 2017

De onde ver a aurora em São Petersburgo

Fotos: Eduard Gordyeyev

O blog Russificando fez uma lista de pontos a partir dos quais se pode ter uma visão do explendor da aurora com excelência em São Petersburgo. Confira esses pontos logo abaixo:



1- A Ponte Azul 


Essa ponte é "invisível" devido a sua grande largura (é a ponte mais larga de São Petersburgo e quicá do mundo), localizada entre o prédio da administração municipal de São Petersburgo e da Região de Leningrado e a Catedral de Santo Isaque. A literatura russa se refere a ela como "ponte-praça", pois tem 97,3 metros de largura. Adjacente a esta ponte está o monumento ao tzar Nikolay I.

Metrô Admiralteyskoe, por trás da Praça de Santo Isaque



2- Avenida Nevsky

Próximo ao Prédio da Singer pode-se ter uma excelente vista da alvorada petersburguense. O prédio pertenceu à companhia alemã Singer até a IGM, até ser fechada por acusação de espionagem para a Alemanha monarquista, lá hoje funciona a sede da maior rede social da Europa, o Vkontakte, ou simplesmente "VK". Deslocar-se algumas centenas de metros até as margens do rio Moyka pode ser uma excelente ideia ao amanhecer.

M. Nevsky Prospekt, margens do rio Moyka



3- Parque dos 300 anos

Sol, praia, mar e Francisco de Miranda, achou que estivéssemos falando do Brasil? Não, falamos do parque situado no Golfo da Finlândia... não, ele não fica na Finlândia, fica na Rússia em São Petersburgo! No parque está o monumento ao revolucionário venezuelano Francisco de Miranda, precursor da luta pela independência das colônias espanholas na América, o monumento foi entregue em 2012 pelo presidente venezuelano Hugo Chávez à cidade de São Petersburgo.

M. Staraya Derevnya, Avenida Litorânea (Primorskiy Prospekt)



4- Topo da Catedral de Santo Isaque

A Catedral de Santo Isaque, hoje museu e igreja, tem ainda um mirante acessível aos visitantes. Desse mirante pode-se ter uma explêndida visão não só do por-do-sol como também de parte do centro da cidade.

M. Admiralteyskaya, Catedral de Santo Isaque



5- Praya de Sestroryetsk

Nenhuma praia do Brasil, por mais ensolarada e mais adocicada que seja a água de coro oferce o que essa praia oferece! Na praia de Sestroryetsk pode-se jogar vôlei, futebol, bronzear-se, correr e tomar banho no verão, no inverno é possível caminhar sobre as águas congeladas, pescar no meio do mar a pé e... ver a AURORA BOREAL próximo de seu farol! Precisa dizer mais?
Ah, claro, a visão do nascer do sol é muito bonita!

Sestroryetsk, Kurortniy rayon (Bairro Balneário)



6- Litoral de Sverdlovsk

Às margens do rio Nevá há uma excelente visão para o nascer do sol, uma vista bonita, com a cidade e o sol intenso.

M. Novotcherkasskaya

Um pouco da música moderna russa


Alkonost é uma banda de rock cujos temas são as lendas do folclore russo, o blog Russificando categoricamente recomenda:

domingo, 25 de junho de 2017

Guia curtíssimo de São Petersburgo: o que ver em 3 dias

Visitar os palácios é uma ambição de muitos que vem à São Petersburgo, mas que conselho pode dar o autor do blog "Russificando" para quem vem passar poucos dias na cidade?

São Petersburgo é uma cidade extremamente diversificada com um grande número de atrações, desde os modernos estádios da copa como a Arena Zenit, passando pelo parque da Ilha de Santa Cruz, pelos palácios históricos do Centro e de Pushkino e pela grande igreja de madeira que se tornou arquétipo daquela em Kiji, a cidade oferece muita coisa para ver.

Hoje preparei um jantar para um amigo de Fortaleza, combinamos de nos encontrar no metrô quando este voltasse do Palácio de Catarina II, e qual foi o resultado? Após passar 3 horas em uma fila, ele se deu conta de que há um ingresso para passear nos jardins e outro para entrar no palácio em si. Ao visitar o palácio, não teve nenhuma grande surpresa. O que podemos dizer a esse respeito?

É certo que nós "plebeus" normalmente não temos a chance de visitar grandes palácios suntuosos, ao visitar São Petersburgo, uma cidade cheia de palácios suntuosos, nos deparamos com essa possibilidade, porém, ao visitar um certo número de palácios, os palácios acabam ficando cansativos, tanto quanto a repetição neste parágrafo da palavra "palácio". Deste modo, aconselhamos visitar o Hermitage e o Museu Russo, em especial o prédio mais conhecido que é o Castelo da Engenharia (Castelo de São Miguel), antiga sede do governo do tzar. Exceto quando se trata da exposição da obra de algum pintor famoso, por exemplo Ayvazovskiy, geralmente as filas não são tão grandes quanto no Palácio de Catarina em fins de semana ou mesmo em Peterhoff. Podemos até dizer mais, se o seu roteiro inclui apenas ou 4 dias em São Petersburgo (em nossa opinião muito pouco), fazemos uma afirmação radical, não vale a pena visitar tais palácios! Caso se trate de uma viagem de uma semana ou mesmo 5 dias completos, é outra história, mas para uma viagem curta, não. E por quê?

São Petersburgo tem um grande número de atrações únicas no centro e nos subúrbios, algumas inclusive gratuitas. Aqui fazemos uma lista do que vale a pena ver e o que você encontrará nesses locais, nos quais vale a pena gastar horas:

1- Hermitage: Priorizar o Palácio de Inverno (Hermitage) é a melhor coisa que um visitante pode fazer, pois assim ele evita o risco de pegar um dia em reformas. Lembremos que a cada primeira quinta-feira do mês a entrada é de graça!
O Hermitage é composto de vários prédios, todos palácios, entretanto, ao contrário do Palácio de Yekaterina ou Peterhoff, que praticamente se referem exclusivamente aos gostos de tais monarcas, no Hermitage podemos ver o trono de Pedro, o Grande, o trono do último tzar da Rússia Nikolay II, o sarcófago (sem o corpo) do príncipe da Grande Novgorod Alexander Nevsky, em 2008 eleito o maior nome da Rússia numa enquete televisiva, além de achados arqueológicos do século XX a.c., tesouros do Império Bizantino, do Egito Antigo, Grécia Antiga, Roma Antiga, Rússia Medieval, Rússia dos Romanov, Rússia Soviética, Rússia contemporânea, África e mesmo obras de arte de grandes pintores capturadas da Alemanha nazista após a vitória comunista durante a IIGM. E tudo isso dentro de um, ou melhor, de vários palácios!
O tempo mínimo recomendado de visita ao Hermitage, contando apenas o prédio principal, é de 3 horas.

Image may contain: one or more people and outdoor


2- Museu Russo (Castelo de São Miguel): O museu russo foi uma criação do tzar Aleksandr III, ele foi uma resposta dos Romanov aos Tretyakov de Moscou, Tretyakov era um crente antigo, membro de uma seita de cismáticos que não aceita as mudanças introduzidas por Pedro, o Grande, na Igreja Ortodoxa Russa. A galeria de Tretyakov, um dos museus mais famosos de Moscou, reunia um grande acervo de pintores russos, enquanto o Hermitage reunia apenas obras de pintores estrangeiros. O tzar Alexander III reagiu criando o "Museu Russo" (em russo, o término é Russkiy Muziey, denotando o caráter referente aos russos étnicos). O museu tem várias filiais e possui dentro de si grandes exposições de arte russa referente a diversos períodos do país. O teto do museu, em especial do Castelo de São Miguel, torna fácil de entender a inspiração para a criação do design das estações de metrô.
Tempo mínimo recomendado: 2 horas



3- Museu Etnográfico Russo: Situado dentro de um palácio e bem no centro da cidade, numa rua paralela com a Avenida Nevsky, o museu etnográfico russo nos permite conhecer as vestes tradicionais de todos os povos da Rússia (mais de 150 nações diferentes), uma excelente representação das tradições milenares dos povos que há anos habitam o mesmo território.
Tempo mínimo recomendado: 2 horas




4- Parque florestal Nevsky/Sítio arquitetônico de Bogoslovka: Situado a 30min de ônibus da estação de metrô Lomonosovskaya, dedicada ao pai da ciência russa, é visitado por um grande número de estrangeiros em fins de semana, por ironia do destino, é desconhecido por um grande número de petersburguenses. A Igreja da Intercessão da Virgem Maria, assim como todo o complexo ao seu redor, é parte de um projeto arquitetônico etnográfico construído inteiramente em madeira. A igreja, a propósito, é toda feita em madeira, como aquela de Kiji, patrimônio da Unesco, na Karélia, mais ao norte. Ela na verdade, foi originalmente construída 7 anos antes da de Kiji, no século XVIII. A má notícia, é que a igreja do local na realidade é uma reconstrução da original, que pegou fogo nos anos 60, reconstruída com a ajuda da tecnologia moderna. A igreja não utiliza um único prego em sua composição. O valor da entrada é gratuito.

A maior vantagem desta igreja é que ela mantém a pintura tradicional ortodoxa russa. Igrejas como a Catedral de Santo Isaque (hoje misto de museu e capela ortodoxa) e a de Nossa Senhora de Kazan trazem ícones pintados do modo ocidental, aliás, a arquitetura das próprias igrejas nenhuma relação tem com a ortodoxia tradicional, sendo uma cópia da Basílica de São Pedro do Vaticano. Os Romanov, obcecados pelo Ocidente, por pouco não adotaram o catolicismo romano, então deram o seu jeito, criando igrejas baseadas em parâmetros ocidentais, tendência essa que seria revertida a partir do reinado do tzar Aleksandr III.

Tempo mínimo recomendado: 1 hora



5- Catedral do Sangue Derramado: essa igreja é bastante jovem em relação a outras de São Petersburgo, inaugurada no século XX, ela é a única catedral ortodoxa que apresenta a pintura dos ícones pelo lado externo da catedral.
A igreja, foi construída num período de rerrussificação da Rússia, os últimos Romanov sabiam que haviam se afastado demasiadamente da população, enfrentavam um grande número de protestos populares, então inauguraram o Museu Russo e construíram catedrais como a do Sangue Derramado, que se baseia na Catedral de São Basílio. Visitar o interior da Igreja é como ler uma Bíblia ilustrada, os seus principais momentos estão ilustrados em fantásticas pinturas. Não é boa ideia visitá-la em final de semana, pois as filas costumam ser imensas. Explorar todos os ângulos da catedral para fazer uma foto pode ser uma boa ideia. Ao lado dela há um mercado de suvenires muito famoso. Também está situada em frente a um dos prédios do Museu Russo.

Tempo mínimo recomendado: 1h30min





NOTA DO AUTOR: Além desses lugares há pontos históricos com mais de 200 anos em suas adjacências, situados a cerca de 15min a pé, estes são os jardins de Alexandrov, Campo de Marte e Jardim de Verão (até o século XIX todos eram apenas um, são mencionados na obra Crime e Castigo), os jardins da Nova Holanda, nos tempos de Pedro, o Grande, faziam parte de um grande porto que ia até o Almirantado, lá eram construídos os navios nos tempos do fundador da cidade, além de vários outros pontos.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Minha entrevista para a Rádio Jovem Pan

Nossa entrevista para a Rádio Jovem Pan do Brasil sobre a vida na Rússia, da perspectiva do país do futebol sobre o país da Copa 2018.

https://soundcloud.com/ranieri_andre/especial-russia-parte-i

Palácio de Inverno, um palácio para todos


Você sabia que toda primeira quinta-feira do mês a entrada no maior museu do mundo, o Hermitage é de graça? Esses aí na fila sabem disso muito bem!

Image may contain: one or more people and outdoor

Um domingo chuvoso na Rússia (fotorreportagem)

Por Cristiano Alves
Fotos: Dmitriy Saulin

Neste de domingo me encontrei com meu grande amigo Andrey, no Parque da Vitória, a quem geralmente me refiro pelo sobrenome (conquanto um camarada nosso tem o mesmo nome). Na Rússia não é considerado cortês chamar as pessoas pelo sobrenome, porém eu gosto da prática por conhecer os grandes nomes históricos pelo seu sobrenome. Andrey possui sobrenome cossaco, por ser descendente deles, o que, a propósito, lhe dá o direito de portar espadas com fio em lugares públicos pela legislação vigente russa.

Image may contain: one or more people, people standing, sky, tree, outdoor and nature

Conquanto estava um dia chuvoso, isto é, com uma leve garoa, Andrey se admirou por eu não levar guarda-chuvas, respondi que preferia usar capa, pois os ventos petersburguenses mandam todos para a lata do lixo, como vi muitas vezes no bairro Litorâneo em dias chuvosos. Nosso encontro se deu no bairro Moscovita, ao sul de São Petersburgo, meu bairro favorito por causa da arquitetura típica soviética. Nesse bairro me sinto como em Moscou, a antiga capital da União Soviética.
Conversamos um pouco sobre a fé ortodoxa e visitamos uma capela no centro do parque, lá um padre conversava com moradores locais. Ao sairmos da capela, conversávamos sobre o Parque, no qual por muitos anos funcionou um crematório dos mortos de fome durante o Cerco de Leningrado. A grande quantidade de cadáveres pútridos da cidade, mais de 1 milhão de mortos, ameaçava a saúde dos sobreviventes da cidade. O Parque da Vitória foi construído onde funcionava o crematório. Hoje lá há um lago no qual casais e famílias navegam romanticamente em barquinhos, além de monumentos a heróis comunistas como Júkov e Zoya Kosmodemyanskaya, todos lado a lado com a capela da Igreja Ortodoxa Russa.

Image may contain: one or more people, people standing, tree, sky, plant, outdoor and nature No automatic alt text available.

Com o dia chuvoso, fomos tomar uma cerveja, apesar do pouco tempo, pois combinei um encontro com uma amiga, não pudemos sair tomando cerveja pelo parque, pois isso pode gerar problemas com a polícia, tomar álcool só é permitido nas dependências do restaurante no parque. A conversa foi bem animada, pois antes da cerveja, havia tomado um pouco de vodka para me soltar numa futura aula de dança. Era hora de lazer, ao contrário das quartas e sextas, dias em que geralmente observo um jejum rigoroso que exclui qualquer tipo de álcool ou carnes.

Image may contain: 1 person, standing, tree, outdoor and nature Image may contain: one or more people, people sitting, drink, phone and outdoor

Seguimos do metrô Parque da Vitória (Park Pobedy) até o metrô da Praça da Insurreição (Ploschad Vosstaniya), onde encontrei a minha amiga, então nos apressamos para uma aula de forró. Não foi muito fácil encontrarmos a entrada do clube, pois os prédios da Rússia costumam ser muito largos, o que é bonito esteticamente, porém não torna fácil a tarefa de encontrar a entrada certa para um dos mais diversos estabelecimentos que funciona em tal prédio, algo como encontrar uma loja em um grande centro comercial brasileiro.

Image may contain: one or more people and suitImage may contain: one or more people, people standing, shoes, indoor and outdoor

Ao encontrar o local, partimos para a aula, convidei Andrey, que não quis dançar, talvez pela falta de mulheres na aula, fenômeno raro em aulas de dança, ainda bem que convidei Lizavyeta, a minha amiga. Na Rússia, em aulas de dança, geralmente as pessoas dançam com todos os presentes. 
O professor, um petersburguense, tinha uma barba típica de mujique russo, falava bem o português, ele, apesar de sério à primeira vista, era muito generoso, atencioso, ao final da aula, pedi para ele dançar com uma de suas alunas o "Pagode russo", então ele explicou para os alunos por que eu pedi essa música, contou a todos que sempre que ia a um concerto de forró no Brasil, alguém fazia questão de pedir ao sanfoneiro que tocasse essa música em homenagem à presença dele.

Image may contain: one or more people, people standing, shoes and indoorImage may contain: one or more people, people dancing, people standing, shoes and indoorImage may contain: one or more people, people standing, hat, child and outdoor

No automatic alt text available.Image may contain: one or more people, people standing, hat and childImage may contain: one or more people