sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Filmagens de fotógrafo brasileiro surpeendem na Rússia



Marcus Mesquita trocou a vida de gerente de banco no Mato Grosso para viver uma nova vida na Rússia e trazer sangue novo, com novas ideias e projetos, como deixa transparecer um dos seus trabalhos. A filmagem retrata o épico lugar conhecido como "A estrada da vida", onde se deram as mais sangrentas batalhas para impedir Leningrado de ser ocupada pelas hordas alemãs, espanholas, finlandesas e outras do III Reich nazista.


quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Canal Russificando

Você sabia que temos um canal transmitido em português, russo e em breve em inglês?

Visite o nosso canal RUSSIFICANDO no Youtube!

Como os comunistas imaginaram a URSS em 2017

Por Cristiano Alves
Blog RUSSIFICANDO

Você já imaginou fazer nevar no Nordeste durante o Ano Novo, ou transformar as águas bálticas das praias de São Petersburgo numa paisagem tropical? Passar de trem atômico pelo estreito de Bering ou mesmo acabar completamente com furacões como o terrível Irma? O mundo inteiro comunista, exceto por uma ilha imperialista no meio do Pacífico que ousou abusar de testes com armas proibidas?

Era assim que em 1960 os soviéticos imaginavam que viveríamos em nossa época, isto é, no ano 2017, dos 100 anos da Revolução Russa, ano desse artigo!

Recentemente, ganhou repercussão na impressa russa o diafilme disponibilizado por um comunista na rede social russa, o VK. Um dos participantes do projeto, infelizmente, morreu no ano passado, não podendo acompanhar como seria o ano 2017. 

Proféticos em algumas coisas, sonhadores em outras, alguns elementos hoje são realidade, por exemplo, quando o jovem Igor, um pioneiro, conversa com a sua mãe, que está no Mar Negro, por um "televideofone", hoje esse "televideofone" é conhecido no mundo inteiro por Skype. Outra ficção que se tornou realidade são as pontes estaiadas, uma ousada obra de engenharia presente na maioria dos países hoje. Durante os anos 60 e 70 a ciência soviética estudou várias formas de modificar o clima da União Soviética, um dos projetos mais ambiciosos foi a reversão do cursos dos rios Ob e Yenissey, porém foi abandonado devido aos impactos ambientais catastróficos que poderiam mudar o clima de todo o hemisfério norte. Outros projetos fazem parte apenas da ficção, e ainda não foram vistos em 2017 e talvez não serão nem em 2117, como naves espaciais capazes de ir até alfacentauro e fontes de energia infinitas localizadas por máquinas que perfuram... vulcões.

O diafilme tem um tom bastante amistoso, não faz menção a nenhuma guerra, exércitos e militares sequer são citados, seria a sociedade "comunista", o socialismo soviético em seu mais alto grau. Mas nem tudo era perfeito na visão dos 100 anos da Revolução de Outubro, comunista, os últimos imperialistas do planeta fariam um teste que colocaria em risco milhões de vidas! Assim os soviéticos imaginavam os 100 anos da Revolução Russa.


No ano 2017. Produção do estúdio Diafilm, 1960

Quem não se preocupa com questões sobre o futuro? Como ele é? Quem é que não quer dar uma olhada nos próximos 100 anos? Ao ler livros de ficção científica, conhecendo a conjunto de cientistas e ousados projetos de engenharia, é possível esboçar um retrato do futuro.

Então vamos dar uma olhada no futuro, 50-60 anos à frente. Pode ser que no jubileu dos cem anos da Revolução de Outubro esses mesmos colegiais como vocês irão ver a aula de geografia em um cinepanorama sobre um passado recente e sobre o presente do seu país, um filme sobre como os soviéticos compartilharão a natureza para a paz e a felicidade na Terra.
Veja esses colegiais no ano 2017 com seu manual na sala de cinema. O dispositivo especial do filme é a "lupa do tempo" permite a eles acompanhar como foi criada a nova face do país.
Os garotos viram como se encontraram pontes sobre abismos montanheses indomáveis...

...como em enorme precisão explosões atômicas recortaram colinas desnecessárias e abriram canais...

...como mudaram o fluxo dos rios Ob e Yenissey e o direcionaram para o Mar Cáspio. Esse mar que ressecava-se agora recebeu dois novos rios que o preenchem.


Os rapazes ouviram a voz do narrador: "E essa é uma barragem pelo Estreito de Bering. Vocês estão vendo? Os trens atômicos passam apressados. A barragem limita as águas fricas do Oceano Glacial e o clima do Extremo-Oriente melhorou.


Depois que a camada terrestre meio que derreteu, então pode ser visto o que se faz nas profundezas da terrra. No fundo dos vulcões escavadeiras subterrâneas de um tipo especial de aço perfuram minas para fontes inexauríveis de energia.

E então desapareceu também a terra. No espaço sideral, quase na velocidade da luz, desloca-se uma nave-foguete de fótons interestelar, dirigindo-se para o sistema planetário mais próximo e tão distante, Alfa Centauro.


Quando a sessão cinemática terminou, o professor de geografia Nikolay Borissovich lembrou que amanhã a turma partirá para uma excusão na cidade subterrânea Carbogrado, situada no Círculo Polar.

Na manhã seguinte, Igor acordou com um capilé no nariz. Era assim que acordavam os relógioos de parede, em uma brincadeira imaginada pelo pai dele, um dos operadores do do Instituto Central de Controle do Tempo.

Despregando os olhos, o garoto viu como a suave mão de plástico acabou de acordá-lo, retornando para o corpo do relógio. "Hoje eu verei com meus próprios olhos Carbogrado", pensou com satisfação Igor.

A mamãe não estava na cozinha, mas ela deixou um bilhete com instruções na máquina de culinária inteligente. "Meu café da manhã favorito!", alegrou-se o garoto.


Igor cuidadosamente foi ao aparelho e soltou a instrução escrita. Cumprindo a tarefa, raios invisíveis tocaram as letras do bilhete, vasilhas automáticas tomaram o necessário, facas especiais rapidamente cortaram os legumes.


De repente, da sala do pai soou uma ligação com a voz da mamãe

A mamãe estava olhando da tela do televideofone. Ela estava na popa de um navio. O jardim de infância se mudou para cá, no qual encontravam-se seus filhos menores. "Você encontrou o café?", perguntou a mamãe sorrindo.


"- Você está no mar negro?!", admirou-se Igor. "- Eu estou de serviço inspecionando o jardim de infância flutuante e aproveitando para visitar o meu... Repasse ao papai por telefone, que eu volto só amanhã".


Em meia hora Igor já estava longe da capital. O ártico recebeu os visitantes com uma nevasca frenética, os moscovitas estavam cercados por operários locais.

Diante dos membros da excursão abriu-se uma escotilha, e uma longa escada rolante os levou até embaixo.

E assim todos seguiram pelas ruas de Carbogrado. No ar havia um leve aroma de tília. Olhando para as pessoas, bronzeando-se sob luminárias de quartzo ficava difícil de imaginar que na superfície uma nevasca castigava.

E no subúrbio gigantes máquinas trabalhavam a todo vapor. Muitas coisas interessantes eram informadas aos alunos pelo engenheiro-chefe de Carbogrado Vladislav Ivanovich.

"- Aqui, de baixo da terra, reina a primavera eterna", disse ele com orgulho, "- mas, vejam, o tempo caprichoso em cima quebra o nosso horário de envio da produção".

- E a estação voadora de controle do tempo não poderia se acertar com o tempo caprichoso do ártico? - perguntou Nikolay Borissovich. Os rapazes, com apreensão esperaram a resposta do engenheiro-chefe.

- Por enquanto as atividades da estação têm caráter temporário - respondeu Vladislav Ivanovich. - E criar as condições para o envio do carregamento sem interrupções só é possível pelo metrô internacional passando pelo Ártico.

- Esse é o modelo da nova construção da máquina furadeira. Esse tatu irá trabalhar com recém-descoberta energia mesônica, que acelera o trabalho em duas vezes.

E a estação voadora de controle meteorológico tem muito futuro. O homem irá apertar botões em uma cabine de controle radioremoto e a máquina irá voar e acalmar furacões, destruir tempestades.

E sobre como poderia agir a estação voadora, os colegiais saberiam muito em breve... No exato momento em que Vladislav Ivanovich conversava com eles em seu escritório, em Moscou, no instituto metereológico o sinóptico-chefe do país e controlador de serviço, o pai de Igor, Yevgeniy Sergeyevich, discutia mensagens de emergência vindos da região do oceano Pacífico.

- Acabaram de informar, - disse o sinóptico chefe, que os últimos imperialistas, escondidos numa ilha distante, testaram a arma mezônica proibida. Nesse experimento houve uma exposão inaudita de forças, que destruiu a ilha inteira e ao mesmo tempo causou perturbações na atmosfera do planeta.

- É por isso que a nossa máquina de prognósticos hoje de repente previu uma tempestade de 12 pontos no Mar Negro, apesar de que ontem o prognóstico era benéfico! - pensou Yevgeniy Sergeyevich.


Na mente de Yevgeniy Sergeyevich houve um terrível pensamento. Os barcos... Jardins de infância flutuantes... Lá estava também a esposa, Nina, Vitya. O furacão se aproxima a cada minuto. E a estação ainda não foi equipada com controles radioremoto.

- A exposão no sul do Oceano Pacífico causou um terrível furacão e tempestade. É preciso urgente salvar as pessoas! - falou com decisão o sinóptico-chefe. - Nossa estação voadora está pronta?

- Vamos pedir permissão para decolar pessoas com a estação de controle metereológico, - disse o sinóptico-chefe. - Vamos voar nós mesmos. Sim, nós estamos arriscando a vida. Mas temos que salvar crianças, marinheiros, navios.


A permissão para o voo foi concedida. E estava assim na janela da estação voadora de controle meteorológico, já erguiam-se enormes pilares de água. Eles chegavam até as nuvens.

O sinóptico-chefe cobriu as janelas com vidros negros. No controle remoto estava o assistente de serviço. O fogo fazia os olhos arder mesmo com os vidros negros... pois a estação disparava raios de energia mezônica sem precedência. Os raios lutavam com os tornados. 

Quando, enfim, foram ligadas os raios mezônicos, e erguidos os vidros negros, os tornados, como num passe de mágica, sumiram. A estação voadora de controle meteorológico salvou centenas de pessoas.

A explosão no Pacífico Sul, ameaçando com a morte a costa do Mar Negro, foi conhecida até na capital. A iodo cinzento percorria o céu lúgubre.

Mas a capital se preparava para uma festa. Nas ruas sentia-se um movimento incomum. Os moscovitas abordavam uns aos outros com jornais novos com notícias sobre as novas conquistas da ciência soviética no controle meteorológico.


E assim as nuvens se dissipavam, e mastros de cor dourada irradiavam ante as casas e parques. O corredor iluminado ampliava-se.

Sobre a cidade rapidamente flutuava a estação voadora de controle meteorológico. A capital jubilante preparava-se para os 100 anos do Grande Outubro. Esse triunfo coincidiu com a grande vitoria da ciência soviética sobre a natureza.

Quando o pai de Igor saiu da estação voadora meteorológica, o filho se conteve e foi lá dar um forte abraço.

De noite Yevgeniy Sergeyevich ligou o televideofone e contatou o navio "Kahetiya". Da tela sorria a esposa, e Nina estava em pé em volta dela e gritava "Papai, tivemos uam chuva tão, mas tão quente!"

FIM, Redação E. Kavtiashvili, Diretor de arte A. Morozov

domingo, 10 de setembro de 2017

Filmes do cinema russo de 2017

O cinema russo experimenta um momento difícil no momento, muitos deles são cópias descaradas de filmes de Hollywood e muitos críticos apontam isso como uma perda de qualidade, porém uma coisa melhorou, a qualidade das imagens e filmagens. Alguns se sobressaem, representando ótimos trabalhos, outros nem tanto, mas não chegam a ser ruins.

Alguns críticos sustentam que ao tentar imitar Hollywood, o cinema russo acabou perdendo a sua identidade. É verdade que alguns clássicos do cinema nasceram de plágios e o exemplo mais clássico disso é a "Trilogia do dólar", sem a qual o renomado ator Clint Eastwood talvez seria apenas um mero limpador de piscinas. O primeiro filme foi um plágio de um filme de Akira Kurosawa, só que ambientado no Velho Oeste americano (o filme foi feito por italianos), porém os demais foram originais em muitos aspectos. Porém no cinema russo, apenas muda-se o cenário e os clichês são os mesmos de filmes hollywoodianos. Deixando a entender que depois do mestre Aleksey Balabanov, um mestre do bom cinema com baixo orçamento, os modernos diretores, cheios de lasers e feitos especiais, são vazios em criatividade.

Devido à falta de originalidade muitos russos não têm ânimo para assistir a filmes russos no cinema. Um fator que influencia nos resultados é o fato de que o Fondkino (Fundo de cinema russo) não exige retorno, e assim, para alguns um filme é apenas uma grande máquina de lavagem de dinheiro. O Russificando traz alguns exemplos de filmes esperados e já apresentados em 2017:

- Prityajenye (A aproximação)

Do mestre do control+c, control+v da Rússia, Fyodor Bondarchuk, ironicamente filho de um grande diretor, o filme é uma cópia aberta e sem máscara da trilogia do Crepúsculo. Por mais estúpido e infantil que seja o Crepúsculo, talvez alguns sustentem que era um trabalho original. O filme por si só não tem nenhuma lógica, um vampiro, criatura mitológica diabólica que suga o sangue dos homens como um personagem belo, gentil e bondoso, quase um Cristo, vítima do bullying dos colegas da escola.
Em Prityajenye temos um ET em vez do vampiro, mas as características são as mesmas, até os seus poderes, torna-se extremamente rápido. O que parece mais absurdo, logo no início do filme, um militar russo dá a ordem para derrubar um enorme "olho voador" do tamanho do Maracanã sobre os céus da capital russa!!! Não se trata de um "pequeno" jato pilotado por um terrorista maluco, mas sim de enorme olho voador do tamanho ou maior que o Maracanã! Depois o próprio comandante que emitiu a ordem culpa o ET, que cai sobre o bairro de Tchertanovo em Moscou (e essa foi a razão pela qual resolvi assistir a esse filme, pois foi o primeiro bairro em que fiquei na minha segunda vinda a Moscou, além da atuação de Oleg Menshikov).

Por se tratar de um objeto extraterrestre, com uma tecnologia fora do comum, o perímetro foi completamente isolado pelo Exército Russo, apresentado ao mundo em seu novo uniforme de camuflagem digital, usando os melhores equipamento (o filme, a propósito, foi feito com o apoio do Ministério da Defesa), porém, a questão é que a área de isolamento é ridiculamente pequena! Não apenas é pequeno o cordão de isolamento, como ele é facilmente penetrado pela "galera" dos principais personagens, que até conseguem pegar o exoesqueleto utilizado pelo ET e sair do perímetro sem serem notados pelo Exército Russo! O leitor já deve ter percebido que o filme não foi feito para gente adulta, tendo a mesma seriedade de um episódio do Pica-Pau.

Em suma, só assista a esse filme se você for um adolescente ingênuo! Se você não for um adolescente ingênuo, não vale a pena assistir, nem esse e nenhum de Fyodor Bondarchuk. Quando comentei sobre esse filme em meu perfil do VK, rede social russa, um amigo comentou "a questão é quando Bondarchuk fará uma versão russa do Titanic".




- Vremya Pervyh (A hora dos pioneiros)

O filme trata de um dos mais importantes feitos da humanidade, a caminhada do primeiro homem em pleno espaço sideral, Alexey Leonov, um piloto bastante ousado e tido pelos seus colegas como "meio louco". Seu feito envolvia grandes riscos, em especial o de ficar perdido para sempre no espaço sideral.

O ator principal do filme consegue tornar interessantes e mesmo engraçadas muitas cenas que com outros atores talvez pareceriam monótonas e chatas, Yevgeniy Mironov (o mesmo do seriado Dostoyevskiy).

Um belo filme sobre um grande feito do socialismo soviético e de como homens enfrentaram um grande desafio da ciência. Muitos críticos consideraram o filme melhor do que o seu análogo americano sobre exploradores do espaço.



- Gogol: Nachalo (Gógol: o início)

Conforme anunciado, esse filme é na realidade uma série na tela grande, um seriado disfarçado de filme, ao menos essa é a crítica mais contundente feita até agora pelos críticos russos.

O filme em si não é ruim, ao menos é bastante honesto, já fica claro em seus primórdios que se trata de um filme de terror, uma fantasia baseada na realidade. O elenco do filme reúne dois protagonistas de Prityajenye, dentre os quais Oleg Menshikov, cujo papel lembra um pouco Sherlock Holmes estrelado por Robert Downey Jr. Gógol, por sua vez, é retratado como um homem inseguro e místico, fato que marca a biografia do grande escritor autor de Taras Bulba, O nariz, O capote, Viy e do clássico O inspetor-geral.

No filme, eles partem de São Petersburgo para Poltava, uma pequena vila na Pequena Rússia (hoje chamada Ucrânia) para investigar uma série de assassinatos misteriosos causados por um cavaleiro sem cabeça. O filme tem boas doses de humor, e algumas cenas são uma clara alusão a filmes como O senhor dos anéis, por exemplo, quando o Cavaleiro sem cabeça busca Gógol e uma moça da vila, que se escondem atrás de uma árvore. A vila é muito bem reproduzida em vários detalhes, bem como os trajes de época. O filme é cheio de mistérios, porém alguns desses mistérios deixam a história bastante confusa. Enfim, como filme para entreter, vale a pena ver.



- Krym (Crimeia)


Anúncios do filme Krym estão espalhados por todas as grandes cidades, e muito provavelmente estará em breve no metrô. O filme do diretor Alexey Pimanov é baseado em fatos reais ocorridos no ano de 2013.

O romance de um casal de jovens russos é interrompido ao deflagrar de uma grande catástrofe política e humanitária na Ucrânia, o golpe de Estado conhecido como Euromaydan, pano de fundo da história que irá fazer você sentir o terror de grupos neonazistas e de seu poder de mobilização em pleno século XXI. Numa das cenas do trailer, o ator principal tem o seu ônibus parado por gangues neonazistas numa cena que em muito lembra um ato terrorista de uma das várias organizações neonazistas da Maydan, quando russos são obrigados a descer do ônibus, são espancados, humilhados, colocados de joelho e obrigados a comer vidro.

O trailer também traz cenas da invasão da Crimeia, ato legal praticado pela Federação Russa que, tendo o direito de utilização das bases navais da Crimeia, evocou a cláusula que admitia sua intervenção no caso de ameaça à população russa da região. Hoje a Crimeia, onde o filme foi gravado, é parte da Rússia. O filme já despertou reações histéricas no parlamento ucraniano, a Rada, tendo sido proposta a sua proibição nos cinemas. Estreia no final de setembro.

- Kolovrat

Um guerreiro russo aprendeu kung fu e resolveu lutar contra a Horda, essa é a ideia que o trailer de "Kolovrat" nos passa. O filme se baseia na lenda russa do guerreiro Yevpatiy Kolovrat, que teria lutado contra os cãs da Horda Dourada, nome do grande império dos mongóis, iniciado por Genghis Khan. O filme mistura lenda e realidade, ao menos seu trailer nos mostra que tem muito boa filmagem e parece retratar muito bem uma grande cidade russa medieval, Ryazan (que existe até hoje), com seus edifícios e fortificações feitos de madeira, aparentemente o filme foi filmado em um longo período de tempo, pois podemos ver uma paisagem de inverno com neve e florestas cheias de folhas douradas e vermelhas do outono. As cenas de luta parecem ser cheias de acrobacias de filmes de kung fu, impossíveis de serem feitas usando-se uma armadura de malha ou escamada. Espera-se que esse filme não seja o mesmo fiasco de "O viking", filme mais caro da história russa, de 2016.




- Matilda 

O filme de Alexey Utchitel já causou um enorme escândalo na Rússia devido à forte oposição dos setores mais conservadores da Igeja Ortodoxa Russa e dos monarquistas. A ex-procuradora-geral da Crimeia, Nataliya Poklonskaya, agora deputada, chegou a propor a proibição do filme. Nataliya tem em seu escritório um busto do último tzar da Rússia Nikolay II, que diz ter visões de Nikolay II, estátuas de Nikolay II chorando e realizando milagres (o que até uma comissão da Igreja Ortodoxa Russa, que não acredita em milagres de estátuas, negou), que desfila no Regimento Imortal com retratos de Nikolay II... (enfim, você já entendeu).

A película é bastante polêmica, a começar pelo fato de que Nikolay II é representado pelo ator alemão Lars Aidinger, não por ele ser alemão, pois os tzares que sucederam Pedro, o Grande, em sua maioria tinham sangue alemão e jamais se casavam com mulheres russas, mas sim por se tratar de um ator que já fez filmes de pornografia! É importante lembrar que o tzar Nikolay II é considerado santo na Igreja Ortodoxa Russa, uma iniciativa tomada pela Igreja Ortodoxa Russa Fora da Rússia (ROCOR), que se reuniu com a igreja russa no ano 2000, trazendo Nikolay II para o grupo dos santos.

O filme trata do romance da bailarina Matilda com o jovem tzar Nikolay II (Lars Aidinger), filho do já moribundo e idoso Alexander III, tzar conhecido pelas suas políticas de russificação e forte expansionismo. Nikolay, entretanto, enfrenta um forte antagonista, representado pelo personagem de Danila Kozlovskiy (Vladimir, em "O viking").

A despeito das polêmicas, o filme parece ter um enredo bastante original, uma fotografia de altíssima qualidade, a participação de atores internacionais e, o melhor, uma sátira a um tzar fraco e impotente que a oligarquia que governa a Rússia teima em cultuar!



- A Horda Dourada

Orcs? Trolls? Goblins? Nada disso, a Horda da vida real (e não de Warcraft) era formada por tártaros e mongóis, um império poderoso nascido no extremo-oriente, que domou o norte da China, subjulgou povos inteiros e cobrou pesados tributos de um povo notável no Ocidente, os russos. Esse império era chamado de Horda Dourada.

Por muitos anos, a Rússia existiu na condição de vassalo da Horda, pagando-lhe tributos pesadíssimos. No enredo do filme de excelente indumentária, os mongóis exigem uma princesa russa ou 30 mil homens. Em meio a tantas disputas e debates entre o príncipe e os populares, um artista russo inicia um romance com uma cazaque, uma das várias mulheres do khan da Horda, um roteiro bastante original jamais visto ainda em um filme russo e mesmo soviético! Um ponto marcante do filme é que ele reúne grandes atores de todas as repúblicas da ex-União Soviética. Os principais acontecimentos se dão em Novgorod, governada então pelo grão-príncipe Yaroslav (nome que significa Glória Radiante).





sábado, 9 de setembro de 2017

Existe racismo na Rússia?

Agora um pouco de política e sociologia da Rússia atual


Algumas pseudojornalistas ocidentais, propagandistas que odeiam a Rússia, fazem um esforço colossal para apresentar a Rússia como o pior lugar do mundo para estar, para essas pessoas, a Rússia não deveria nem existir enquanto "Rússia" e os seus habitantes deveriam desculpar-se permanentemente por serem "intolerantes", "racistas", "preconceituosos" e "totalitários". Essa é a visão que muitos jornais e revistas no Brasil passam da Rússia, influenciados por uma propaganda vinda dos Estados Unidos, rival geopolítico da Rússia, e pelos seus aliados da OTAN, organização militar agressiva aumenta o número de membros e de suas bases militares a cada ano que passa.

É importante lembrar ao leitor que a Guerra Fria acabou há mais de 25 anos, quando Gorbatchov, em troca de milhões de dólares anunciou o fim do Pacto de Varsóvia e do Muro de Berlim, Ronald Reagan garantiu que faria o mesmo no Ocidente. Porém, o que aconteceu foi o inverso, em vez de dissolver o Tratado do Atlântico Norte, a OTAN aumentou o seu número de membros e de integrantes, expandido-se em direção às fronteiras da Rússia. Ao contrário dos conquistadores do passado como Hitler e Napoleão, os dos nossos dias, Reagan, Tatcher, Köhl, Blair, Obama e Trump, sabiam do óbvio, não se pode submeter a Rússia pela força das armas em plena era nuclear. Assim, recorreram a outro recurso de guerra, a "guerra de informação", conceito militar que consiste no uso de técnicas de desinformação e contra-informação para desgastar o inimigo e assim mobilizar todos contra o inimigo demonizado.

É consenso entre os historiadores russos que toda a política do Ocidente durante a Guerra Fria, antissoviética, nada mais foi do que mais um capítulo da russofobia, ou seja, de um sentimento agressivo contra a Rússia. Quando a Rússia era uma monarquia conservadora, os grandes poderes do Ocidente não gostavam da Rússia, quando se tornou uma república socialista também foi o mesmo, ao se tornar uma república democrática aconteceu a mesma coisa! Sempre que um governo da Rússia defende os interesses do povo russo (ou de seus oligarcas), esse governo é acusado de todas as formas possíveis!

Durante os anos 90, uma série de reportagens tratava de casos de racismo na Rússia, de movimentos e gangues neonazistas, porém, nenhuma dessas reportagens notificou o fato de que essa tragédias pós-soviética, ocorreu justamente por que esses governos ocidentais aplaudiram o fim da União Soviética! Com a subida ao poder de Putin, este pôs um fim no wahabismo na Chechênia, na máfia russa e também nos neonazistas. É importante notar, que embora se trate de um ex-agente do KGB, Putin é um grande diplomata e negociador, ele conseguiu acabar com muitos desses problemas de forma não-violenta, ou ao menos usando a violência em casos estritamente necessários, por exemplo, no combate aos terroristas wahabistas ou encarcerando líderes de movimentos neonazistas. Muitos neonazistas foram presos, mortos (por movimentos rivais não-nazistas) ou simplesmente foram se ocupar com produtos de "alimentação saudável", programas de esporte e musculação, seitas pagãs ou clubes de reencenação histórica do III Reich em eventos sobre a IIGM. A Rússia, em mais de uma chance na ONU, sendo a última delas em 2012, propôs resoluções de condenação do racismo, da xenofobia e do nazismo, resoluções contra as quais votaram os EUA, a Ucrânia e Palau. Um famoso programa de um blogueiro russo, Dmitriy Puchkov, popularmente conhecido "Goblin", mostra dois brancos, de cabeça raspada, falando sobre racismo e explicando a completa incoerência de tal teoria, bem como sua história.



Nos dias atuais, além de ter um governo e os meios artísticos representados por pessoas de diversas nacionalidades, a Rússia promove uma série de eventos culturais relacionados às mais diversas culturas que fazem parte da Rússia, por exemplo, só na cidade de São Petersburgo há festividades como o Johannus (finlandês), além de festas iacutes, russas, caucasianas e até indianas e africanas. Na Rússia não há nenhuma perseguição a praticantes de kung fu, capoeira, jiu-jitsu ou outras artes marciais estrangeiras estabelecidas no país. Além disso, na Rússia há clubes e academias de danças africanas, indianas, árabes, latinas, americanas, caucasianas, dentre outras. 

Em clubes noturnos russos podem ser vistos DJs russos, latinos, africanos e por vezes do Cáucaso. Os seguranças não escolhem com base na cor da pele, e sim com base no chamado "controle de faces", ou seja, se ele vai com a sua cara, ele deixa você entrar. Geralmente, na prática, em vez da o que é avaliado é o traje. O autor desse artigo, por exemplo, já foi barrado em um clube noturno no qual já havia entrado e na vez seguinte foi admitido, na vez em que foi barrado usava traje social que incluía colete, além de um casaco estofado. Em certos restaurantes não é permitido entrar de tênis, não importa se você é negro, branco, russo ou indiano... Além disso, na hora de adentrar o metrô, não importa se você parece com árabe ou russo, se é cristão, muçulmano ou judeu, os funcionários fiscalizam a bolsa no detector de metais por amostragem. Em inúmeras vezes o autor desse artigo passou apressado pela roleta do metrô usando bolsa enquanto outro indivíduo, russo, foi parado e fiscalizado com o detector de metais.  

Nas ruas de qualquer cidade russa é possível ver homens russos com mulheres de outras nações, especialmente negras e asiáticas. Também é comum ver garotas russas com homens de outras nações, em certos casos mães solteiras com filhos mestiços e mesmo famílias completas. Nesse sentido, é importante informar não é raro ver casais formados por uma mulher russa e um homem azeri, turco ou daguestanês (muçulmanos), porém é muito raro, quase inexistente, ver uma garota azeri, turca ou daguestanesa com um homem russo, inglês ou brasileiro. Nesse sentido, é importante frisar que normalmente os povos mais racistas são os não-russos. Não é raro encontrar uma garota uzbeque da Rússia, por exemplo, que relaciona-se exclusivamente com muçulmanos. Nos comentários do trailer de um novo filme russo que será lançado nesse ano de 2017 chamado Ordá (A Horda), que retrata o romance de um artista russo com uma mulher mongol, todos os comentários racistas partem de não-russos.


Como em qualquer parte do mundo há pessoas preconceituosas na Rússia, talvez mais na Rússia do que na Islândia, por exemplo, cuja população equivale ao de um bairro de uma grande cidade russa, porém a Rússia têm tomado uma série de medidas para combater todas as manifestações de racismo, xenofobia e de outras formas de discriminação desde o início da década de 2000, medidas essas nunca mostradas. Hoje mais de 150 nações convivem harmonicamente na Rússia e pessoas de vários países vêm e têm do país as melhores impressões.


sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Descobrindo Novgorod, uma cidade com mais de 1000 anos da Rússia


Como se virar sem falar russo na Rússia? Isso é possível?

Recentemente, o jornal O Globo publicou uma matéria afirmando que "é muito difícil se comunicar na Rússia por que ninguém fala inglês". Isso só mostra que a edição da Globo, assim como os seus jornalistas, aparentemente vieram mal preparados para a Copa das Confederações e foram muito mal informados. Em realidade, é muito etnocentrismo acreditar que o país de Dostoyevskiy, Tolstoy e Tchaykovsky deveriam falar em uma língua que historicamente não fez parte da formação da Rússia e nem foi incorporada pela tradição do povo russo, lembrando que um dos aspectos que marca o etnos russo é a defesa da tradição!

O alfabeto cirílico russo e um monumento aos seus criadores, no centro de Moscou


Primeiro, como já confirmados em inúmeros artigos do blog Russificando, assim como por museus, historiadores, arqueólogos, dentre outros intelectuais, a Rússia é um país de mais de 1000 anos, só a Grande Novgorod é mais velha que o Brasil e os Estados Unidos juntos. Além disso a literatura russa é mundialmente difundida, servindo de base para inúmeros filmes, novelas, seriados, etc. Não esqueçamos que a Rússia não tem a mesma população da Dinamarca ou da Suécia, só a cidade de São Petersburgo tem aproximadamente a população de toda a Suécia (contabilizando as estimativas de migrantes não registrados). Logo esperar que nos próximos 50 anos a Rússia tenha falantes de inglês em todo lugar, isto é, pessoas que entendam bem a língua, é uma expectativa fantasiosa. Porém, isso não significa que "não dá para se orientar sem falar russo".

A Rússia possui um número expressivo de falantes de inglês e até de português, este que escreve este artigo já se deparou com falantes de português brasileiro até de Habarovsk, uma cidade no Extremo Oriente, região mais longínqua da Rússia continental (mais até do que a Sibéria). Muitos desses falantes aprenderam sozinhos a língua e tem ótimo domínio dela, alguns são capazes até de cantar e dançar samba ou mostrar habilidades de capoeira. Só na cidade de São Petersburgo intérpretes entram num verdadeiro empurra-empurra para trabalhar em um evento, é um mercado extremamente competitivo. O leitor talvez, acredite que é um grande luxo ter um guia ou um intérprete, porém, vamos avaliar o custo benefício!

Imagine que você decide estudar inglês numa grande cidade, você irá pagar a uma escola de línguas em pelo menos 250 reais, ou seja, para obter a fluência no nível básico dessa língua, uma pessoa média levará pelo menos um semestre acadêmico, normalmente 4 meses no Brasil, ou seja, você irá gastar 1000 reais. Caso falemos de um curso de russo, que é uma língua rara e sem uma rede tão ampla quanto as dos cursos de inglês, estamos falando num investimento muito mais elevado! Agora vamos considerar os fatos.

Ao chegar na Rússia, é indispensável ter a capacidade de se comunicar. Só na hora de sair do aeroporto, geralmente quem chega de uma longa viagem está cansado física e mentalmente, a primeira coisa que alguém quer é comer e depois descansar, ou para alguns ir logo dar uma volta, afinal, se o mundo acabar, você não viu apenas o aeroporto! Mas para não ver apenas o aeroporto é preciso saber como sair do aeroporto, e geralmente as opções são as mais variadas, porém, a mais comum de todas, especialmente dependendo do horário de chegada, é um táxi. Você pode até pegar um Uber, porém, como irá se conectar à internet sem saber que operadora de celular contratar? E se o 4G de uma operadora não pega naquela cidadezinha com um lago cristalino que você quer visitar, ou simplesmente pega ruim no seu prédio de paredes de concreto espesso que impede que você ouça o que o casal do quarto ao lado faz de madrugada? Logo, a falta de opção de muitos acaba levando a tomar a primeira opção de táxi que aparece. Ocorre que muitos desses taxistas são imigrantes que vieram com suas famílias numerosas e cobram o máximo de turistas que geralmente chegam com muito dinheiro para gastar, assim, numa corrida com o taxista você latino-americano bem sucedido que recebe em reais irá talvez pagar um valor não muito expressivo para um europeu bem sucedido recebe em euros (ou talvez mesmo libras esterlinas!). Assim, só na chegada você acaba gastando 5000 rublos para chegar no seu descanso, isso se o taxista não cobrar mais, um taxista que talvez irá saber muito pouco sobre aquele prédio ou monumento que você verá no máximo uma ou duas vezes enquanto segue a cidade, que poderia ser talvez, digamos, um marco de 1000 anos de uma cidade ou lugar onde capturaram um general nazista, digamos.

A Rússia é cheia de incríveis monumentos com os mais diferentes temas, como esse à serpe montanhesa, recordista de curtidas no Instagram, incompleto ainda, na região de Krasnodar
Dessa forma, como vimos, você irá gastar muito dinheiro de uma forma ou de outra, por vezes por um serviço ruim, quando em vez de 5000 rublos (aproximadamente 250 reais) você poderia ter gasto apenas 500 (aproximadamente 25 reais). Um bom guia ou intérprete torna muito mais fácil a sua vida num aeroporto, táxi, hotel, etc! Se você tem um amigo na cidade, muito bem, isso mostra que você é uma pessoa sociável, é bom poder encontrar amigos, porém, será que o seu amigo que trabalha em 2 ou 3 empregos realmente costuma ocupar seu tempo lendo sobre como vender mais, por exemplo, ou sobre a história e as lendas relacionadas a um ponto específico da cidade?! Será que o seu amigo terá tempo para mostrar esse ou aquele lugar? Será que ele realmente conhece bem a cidade ou somente o centro dela? É aí que entra o papel de um guia, ele lê bibliotecas inteiras sobre a história do país, da cidade, sobre eventos relacionados e poderá mencionar fatos relevantes sobre um determinado prédio como o fato de nele ter vivido os últimos anos de sua vida o compositor Pyotr Tchaykovskiy, ou dele ter sido incinerado por uma bomba incendiária da IIGM e depois reconstruído.

Mas mesmo que você não esteja muito interessado em história, mesmo que você queira apenas fotos legais para o seu Instagram, dependendo da companhia que você contratou, ele poderá conhecer os ângulos para uma boa foto, assim como os endereços de lugar A ou B e que horários são melhores para visitá-los, devido às enormes filas que surgem em certos pontos. De que adianta ir em Peterhoff, por exemplo, para passar 4 horas na fila do museu quando você simplesmente poderia ir num outro museu ou mesmo palácio que fica nas adjacências do seu hostel?! Nesse sentido o guia pode ser um bom planejador, facilitando a sua logística e fazendo você ganhar tempo e ver muito mais do que poderia ver.

Maravilhas como esta, onde foram filmados diversos filmes e seriados, com a entrada gratuita, não aparecem nos guias turísticos. Na foto, Bogoslovka, um dos pontos do Museu Etnográfico Russo, em São Petersburgo
Se você acha que seus assuntos são de sumaríssima importância e completamente sigilosos, não tenha medo. Intérpretes e tradutores são como padres, eles já viram e ouviram muita coisa que você sequer imaginaria, porém é da natureza de seu trabalho guardar sigilo. Processos nos quais X foi preso na alfândega por contrabandear isso ou aquilo talvez já tenham passado pelas mãos desse ou daquele tradutor, logo, não há por que se espantar!

Intérpretes e tradutores existem desde muito tempo, e a Rússia está cheia deles para os mais diversos idiomas. Muitas vezes o "barato" sem um bom intérprete pode acabar saindo caro! Lembre-se que ao chegar na Rússia você não irá contratar um "garoto das bananas" que vai apenas mostrar uma praia aqui ou um coqueiro exótico ali, mas alguém que irá transmitir tudo que há ao seu redor para você não compreende a língua. Por mais que você seja um mestre da gesticulação, um guia local, um intérprete, conhece bem a cidade, facilitando enormemente a sua vida, conhecendo os pontos turísticos e os não-turísticos, isto é, aquela enorme igreja de madeira enorme que você sequer saberia que existe numa cidade por não estar no guia turístico, e que serviu de arquétipo para outra bem mais famosa.

Assim, como dizer que o país não está preparado? O país não está só bem preparado, como os seus guias, intérpretes e tradutores estão mais do que preparados para marcar os melhores gols num campo que dominam muito bem!

O Kremlin de Kazan, cidade-sede da Copa 2018 mais antiga que o Brasil e os Estados Unidos juntos

domingo, 20 de agosto de 2017

A São Petersburgo que os petersburguenses não conhecem

Esse impressionante prédio é desconhecido por muitos de Petersburgo, mas impressionou a um brasileiro e uma suíça
Não é raro encontrar em São Petersburgo turistas que estiveram 4 dias ou mais e não estiveram no metrô uma só vez, com espanto, sempre me pergunto: "Essa pessoa realmente existe?!" Mas, às vezes, acontece o mesmo com petersburguenses, o que me fez escrever esse artigo.

A história começa quando num encontro de estrangeiros em um famoso café conheço Tina, quase como Cristina, conquanto sou Cristiano resolvi falar com a moça que estava sentada sozinha numa mesa. Então, eu soube que a garota era uma arquiteta da Suíça e a conversa ficou mais interessante, pois minha primeira professora de alemão era suíça e o último filme que assisti no cinema foi filmado na Suíça (A cure for wellness, em português "A cura), então tivemos uma conversa interessante sobre arquitetura. Eu gosto muito dos arquitetos e engenheiros, já que eu mesmo sonhei em ser engenheiro na infância, precisamente engenheiro e oficial (depois oficial e piloto), mas a principal razão pela qual gosto deles é que quando olham para a cidade eles veem o que eu vejo, e é verdade, não só na cidade. O engenheiro é um criador e o arquiteto é o engenheiro-artista na minha opinião, a própria palavra engenheiro vem do latim "genius" (gênio), ou seja, a mente criadora, construtora, ou como diziam na Alemanha Oriental, "bau auf, bau auf!"

Assim, após várias conversas sobre o clima e sobre o Brasil (a jovem viveu lá por um ano) nós concordamos em ver Bogoslovka. Eu falei a ela sobre a igreja de madeira no Parque Florestal do Nevá, sobre a qual poucos da própria São Petersburgo sabem! Sinceramente, para mim Bogoslovka é até mais interessante que o Palácio de Catarina e Peterhoff e a principal razão é que lá é tudo como na Rússia Medieval, e Peterhoff já foi construído como Versalhes, ou seja, de certo modo é uma cópia do estilo ocidental. Eu penso que se em Fortaleza ou mesmo em São Paulo ou no Rio eu mostrar Bogoslovka e Peterhoff qualquer homem médio irá associar à Rússia Bogoslovka, mas de todo jeito, eu conheço pessoas que vivem há 10, 20, 30 e até 40 anos em São Petersburgo e mesmo assim não sabem que esse lugar fica na cidade, o primeiro chute vai para Kiji, mas esse é o arquétipo da igreja de Kiji!

Conquanto a minha companheira dormiu muito, nós não fomos até Bogoslovka, mas combinamos de ir ver outras maravilhas de São Petersburgo, o Bairro Moscovita, o mais soviético da cidade, e adivinhem, até o Instituto de Robotecnia de Leningrado! Hurra! Existe outra pessoa no mundo capaz de ficar impressionada com esse prédio do construtivismo soviético? Sim senhores, essa pessoa existe, é a minha companheira da Suíça. Eu, sinceramente, não sou nenhum fã da arquitetura construtivista, mas sou brasileiro e a capital do Brasil, Brasília, foi inteiramente construída sob a influência do construtivismo, desenhada pelo famoso arquiteto Oscar Niemeyer (ele, a propósito, um comunista convicto). Além disso, o construtivismo parece um estilo muito futurista, o que traduz o desejo dos sovietes de construir a "sociedade do futuro", em tempos em que na Rússia se fazia filmes de ficção científica. Mas mesmo na própria URSS o construtivismo não se tornou o principal estilo.

Já que sou brasileiro, o construtivismo arquitetônico é um velho conhecido, na foto o Museu de Oscar Niemeyer, em Curitiba

Quando Tina e eu fomos até o metrô Pionerskaya, após ver os metrôs Avtovo e Narvskaya, perguntamos a várias pessoas como chegar ao instituto, ninguém sabia a resposta certa, geralmente achavam que procurávamos o politécnico, mas procurávamos o robotécnico, ninguém sequer imaginava o formato do prédio, meu Deus, esse prédio é único, nesse lugar as pessoas imaginavam e criavam robores, elevada forma de tecnologia da humanidade no século XXI, como é possível não saber desse lugar? Essa é a Rússia que queremos no século XXI, uma Rússia que se move pra a frente e cria novas tecnologias, que desenvolve a ciência. Os soviéticos previram em 2017 na URSS haveria estações de controle do clima, mas estamos em 2017 e não há nem a estação nem a URSS, mas há a Rússia e pessoas nela!
A torre me deu ideias diferentes para fotos

Depois que sentamos no bonde e andamos muito, por acaso achamos duas mulheres que riam e tomavam cerveja, então perguntamos sobre o lugar, explicando que a jovem há tempos sonha em ver tal prédio, eu o vi pela primeira vez ao fazer esqui pela primeira vez no inverno. Então, todas as coordenadas foram exatas, mas o prédio estava muito mais bonito, pois era noite, nós nos sentamos por muito tempo e contemplamos a beleza dessa maravilha construída pelos soviéticos. O formato do prédio me deu ideias para fotos, então fizemos algumas, sentamos para conversar sobre o porquê desse estilo não se tornar popular, e de acordo com a arquiteta Tina a razão principal é que pessoas comuns não gostaram, é verdade que nem na URSS se tornou o principal, como depois notamos no Bairro Moscovita. No final das contas, tivemos a impressão de que na cidade em que muitos jovens sonham em viajar para a Espanha, a Tailândia, Índia ou à América, esses jovens sabem de muito pouco sobre a boniteza de sua própria cidade, para muitos, hóspedes e até locais, São Petersburgo é só a Avenida Nevsky e o rio Nevá! Às vezes isso é muito triste, pois esquecem de monumentos arquitetônicos como a Dacha de Mesmacher em Shuvalovo, construída no estilo pseudogótico.

Институт Роботехнологии Ленинградской Области в Санкт Петербурге